Conheça Ribeirão Preto

#AquiTemInstaCasa: 6 curiosidades sobre Ribeirão Preto/SP

O Estado de São Paulo possui muitos municípios com histórias ricas e rotas turísticas exuberantes. Neste momento em que muitos estão migrando dos grandes centros urbanos para o interior, buscando uma vida mais tranquila e um contato mais direto com a natureza, uma cidade que vem chamado a atenção é Ribeirão Preto, localizada a 315 km da Capital.

Dando continuidade à série da hashtag #AquiTemInstaCasa, falaremos, nesta semana, sobre Ribeirão Preto/SP, ao qual chegamos com o empreendimento Villas do Mirante, da Perplan.

Então, #VemComAGente e descubra os encantos de um dos mais importantes municípios do Brasil pela sua atuação econômica, seja no agronegócio, na pesquisa ou na educação.

1. A História da Capital Mundial do Café

A história do município de Ribeirão Preto, em São Paulo, foi construída com os frutos da terra. De acordo com a associação Ribeirão Preto e Região Convention & Visitors Bureau, o primeiro fruto cultivado foi o café. A produção de café foi a primeira atividade agrícola intensiva de Ribeirão Preto, introduzida por famílias de fazendeiros que vieram de outras regiões. Ribeirão Preto era uma nova e potencial frente agrícola com terra de qualidade e clima apropriado. As lavouras começaram a ser plantadas em 1870. Em 1900, o café produzido no município era conhecido principalmente na Europa, o que fez a cidade ser considerada, na época, Capital Mundial do Café.

Tudo começou com os mineiros, desbravadores dessa região e que praticavam uma agricultura de subsistência, por volta de 1811. Depois, já estabelecidos como fazendeiros, eles foram os doadores das terras para a criação do patrimônio de São Sebastião com a finalidade de manter uma capela em honra do santo e, assim, cumprir as exigências da Lei da Terra para legalizar suas propriedades.

Em 19 de junho de 1856 foram lavradas as escrituras e demarcado o patrimônio da Igreja. A data é considerada como a da fundação do município, segundo a Lei Municipal 386, de 24/12/1954.

O nome Ribeirão Preto veio do córrego que atravessava o então povoado, chamado de Preto. E São Sebastião, o santo venerado pelos primeiros habitantes, tornou-se padroeiro do município.

Imagem antiga de Ribeirão Preto.
Foto: Tribuna Ribeirão

2. Cervejaria Paulista e Califórnia Brasileira

Em 1910, foi instalada em Ribeirão Preto a Companhia Cervejaria Paulista. A fábrica também inaugurou a Choperia Pinguim, frequentada pela elite do café e que continua uma atração para os visitantes até os dias de hoje.

O chopp da cidade ficou famoso por utilizar a pura água do Aquífero Guarani. Atualmente, as cervejarias artesanais, que surgiram nos últimos anos após o fechamento da fábrica, também utilizam a puríssima água do manancial subterrâneo que abastece a cidade conferindo qualidade ao produto e mantendo a tradição cervejeira na cidade.

Após o declínio da força do café na região, a cana-de-açúcar retomava o seu posto de líder na agricultura nacional. Na região de Ribeirão Preto, os imigrantes compravam as terras do café e tornavam-se os novos grandes proprietários. Na década de 40, essa já era a principal cultura em alguns municípios da região, como Sertãozinho. Após 1960, a região era um “mar de cana” e transformada na maior produtora mundial de cana-de-açúcar.

Mudanças nos relacionamentos comerciais entre vários países beneficiaram o Brasil que passou a incentivar o setor visando o mercado externo. Foi criado o Pró Álcool – Programa Nacional do Álcool (que durou de 1975 a 1989) que incentivou o uso do álcool anidro como aditivo à gasolina. Surgiram destilarias e usinas para o beneficiamento da cana, e o setor se capitalizou.

Posteriormente, na década de 80, um jornalista do Jornal do Brasil, Ricardo Kotscho, denominou a cidade como “Califórnia Brasileira”, graças aos efeitos da indústria do açúcar e do álcool na vida econômica da cidade. A região estava se transformando no maior centro produtor do mundo com mudanças marcantes na paisagem rural e urbana de Ribeirão Preto e suas vizinhas.

Imagem da Cervejaria Paulista.
Foto: BrandaniDecore

3. Festival Tanabata

O Festival Tanabata é uma das mais belas manifestações do folclore japonês. Sua origem data de 1.300 anos e baseia-se numa lenda chinesa nascida há mais de 4.000 anos. A festa foi introduzida no calendário oficial de eventos de Ribeirão Preto desde 1994 e tem como objetivo estreitar as relações entre a colônia japonesa e a comunidade em geral, ao mesmo tempo em que desperta e reforça o interesse da sociedade na formação e transferência do conhecimento desta cultura milenar.

Através das suas várias manifestações artísticas: danças folclóricas, música e seus delicados instrumentos (shamizen, shakura, etc.), artes marciais, tambores japoneses (taiko), canto (karaokê), artes plásticas (pintura, origami, kirigami, etc), arranjos florais (Ikebana), cultivo de árvores em miniaturas (Bonsai) há o fortalecimento da cultura de um povo aos seus descendentes estimulando a formação de uma sociedade Nipo-Brasileira fortemente alicerçada na Educação e na Cultura.

O evento é aberto ao público, com entrada gratuita e uma excelente oportunidade de encontro com a tradição japonesa, sua culinária exótica, shows de dança, shows de Taikô (tambores japoneses) músicas tradicionais, oficinas de mangá, origami, bonsai e pipas, e exposições de artes plásticas e uma variedade de objetos e produtos japoneses.

Imagem do Festival Tanabata, em Ribeirão Preto.
Foto: Tribuna Ribeirão

4. Ribeirão Preto já teve um mar

Pesquisadores encontraram indícios que há 260 milhões de anos, a cidade de Ribeirão Preto foi banhada por um mar.

A pesquisa reuniu 16 pesquisadores de diversas universidades como USP, Unicamp, Unesp, UFSC e Universidade Federal do Panamá, Instituto Floresta e o Instituto Geológico do Estado de São Paulo.

O mar que banhava a cidade era o Irati, mas atualmente, se deseja visitar um destino de praia em São Paulo, você pode optar por Ilhabela, Praia Grande e Ubatuba.

Imagem dos pesquisadores sobre o mar que existiu em Ribeirão Preto.
Foto: Revide

5. Hotel mal-assombrado

No centro da cidade, à direita, está o primogênito do Quarteirão Paulista de Ribeirão Preto: o Centro Cultural Palace, antigo Palace Hotel e, antes dele, o Central Hotel. Construído em 1924 e inaugurado em 1926, por um rico comerciante de café local, o Palace é um produto desse fruto, que definiria o futuro de Ribeirão Preto.

Sobre questões místicas, apesar da lenda urbana sobre as passagens secretas que levam para o teatro para os enamorados se encontrarem, há quem diga que o local é mal-assombrado. Algumas histórias são bem tenebrosas. Por exemplo, dentro do hotel aconteceu: suicídio, assassinato e até mesmo um possível esquartejamento. Já ocorreu até uma investigação paranormal. Um dos fantasmas que afirmam “existir” no local é o de uma funcionária que tinha por volta de 20 anos, que após descobrir que o hóspede por quem estava apaixonada era casado, ateou fogo em si. Tem coragem de ir conhecer?

Fotos: Pinterest

6. Pontos turísticos

Ribeirão Preto é uma cidade que pode ser explorada durante todo o ano. Alguns pontos turísticos se destacam, como:

  • Theatro Pedro II: tombado como patrimônio histórico, o prédio foi restaurado depois do incêndio que aconteceu em 1980. Concertos musicais, espetáculos de música e dança acontecem nesse espaço;
Imagem do Theatro Pedro II.
Foto: USP
  • Parque Doutor Luiz Carlos Raya: dispõe de 40 mil m² de área verde e conta com duas cachoeiras artificiais. É uma boa opção para você se exercitar na pista de corrida, além de contar com o apoio de alguns aparelhos de ginástica;
Imagem do Parque Doutor Luiz Carlos Raya, em Ribeirão Preto.
Foto: USP
  • Santuário das Sete Capelas: o santuário possui sete capelas em homenagem a diferentes santos católicos. Idealizado por monges beneditinos, rodeado de muita natureza e paz, o local fica no Morro de São Bento;
Imagem do Santuário das Sete Capelas.
Foto: USP
  • Morro de São Bento: o Parque Municipal do Morro de São Bento, com área aproximada de 250.880,00 m2, é importante patrimônio natural do município de Ribeirão Preto. A vocação do Parque é a conservação da integridade biológica local em seus aspectos ecológicos e a promoção da Educação Ambiental, caracterizando-se como unidade de Conservação de Uso Indireto. Assume características de um parque urbano, pois está localizado próximo a área central da cidade;
Imagem do Morro de São Bento.
Foto: USP
  • Parque Prefeito Luiz Roberto Jábali: o complexo ambiental tem uma área verde de mais de 150 mil m², com lagos, cachoeiras e trilhas para caminhar ou andar de bike. É a maior área de lazer de Ribeirão Preto;
Imagem do Parque Prefeito Luiz Roberto Jábali.
Foto: Carlos Natal
  • Bosque Municipal Fábio Barreto: é uma área pública contendo floresta nativa na área central do município brasileiro de Ribeirão Preto, estado de São Paulo. Foi criado por Decreto de reserva do Prefeito Fábio Barreto no ano de 1948;
Imagem do Bosque Municipal Fábio Barreto.
Foto: Giovana Tarozzo
  • Jardim Japonês: rodeado de flores, lagos, pontes, barcos e plantas ornamentais doadas pela colônia japonesa de Ribeirão Preto. Localizado dentro do Bosque Municipal Fábio Barreto, o lugar é um importante espaço de preservação da cultura nipônica;
Imagem do Jardim Japonês, em Ribeirão Preto.
Foto: USP
  • Casa da Memória Italiana: construída entre 1923 e 1925, a Casa da Rua Tibiriçá nº 776 foi residência do casal de imigrantes italianos Pedro Biagi e Eugenia Viel Biagi e seus filhos Elisa, Ida, Iris, Angela, Osônia a partir de 1941. A fazendeira Joaquina Evarista Meirelles e seu filho Joaquim Machado de Souza, moradores e proprietários da Fazenda Santa Rita em Bonfim Paulista, assinam a planta da Casa, em 28 de maio de 1923, e investem na sua construção. O grande diferencial da Casa da Memória Italiana é seu acervo composto pela estrutura arquitetônica, decorativa e mobiliária original da década de 1920. A preservação desse patrimônio foi possível pela constante manutenção e cuidado que os seus moradores tiveram ao utilizarem como sua residência até o ano de 2012;
Imagem da Casa da Memória Italiana.
Foto: Divulgação | Casa da Memória Italiana
  • Novo Mercadão da Cidade: inaugurado em 30 de outubro de 2008, hoje conta com mais de 40 estabelecimentos comerciais, oferecendo grande variedade de produtos e serviços, com ótima qualidade, preço e atendimento, em um ambiente agradável e familiar. Tem esse nome pois a grande maioria dos clientes o chamavam dessa forma, também como forma de distingui-lo do Mercadão Municipal;
Imagem do Novo Mercadão da Cidade de Ribeirão Preto.
Foto: Divulgação | Novo Mercadão da Cidade
  • Mercadão Municipal: um dos passeios clássicos em Ribeirão Preto é visitar o Mercado Público, na região central da cidade. São mais de 150 lojas com os mais variados produtos.
Imagem do Mercadão Municipal de Ribeirão Preto.
Foto: Tribuna Ribeirão

Ficou interessado em conhecer a região? Não perca a oportunidade e visite Ribeirão Preto.

Se achou esse post relevante, assine nossa newsletter e receba conteúdos em primeira mão!

*A foto de capa faz parte do arquivo da revista Revide, de Ribeirão Preto

Faça parte do mundo de Arquitetura e Tecnologia para Loteamentos.

Assine nossa Newsletter e descubra como!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.