Cortinas: funcionalidade e estética

Cortinas: funcionalidade e estética

Sempre que pensamos naquela decoração que queremos criar em nossas casas logo imaginamos os móveis preferidos em cada cômodo. Talvez, ainda, os diferentes tipos de pisos para a cozinha ou quartos, ou até mesmo as cores que vamos pintar as paredes. Muitas vezes não damos a importância devida às cortinas da casa. Elas são um importante elemento decorativo e funcional e que pode ajudar e muito na composição do espaço.

As cortinas são responsáveis por proporcionar mais privacidade aos ambientes, além de barrar ou filtrar a luz solar. Graças a essa proteção das cortinas, os raios solares podem iluminar a casa sem estragar os móveis e objetos da decoração. Isso se aplica até mesmo àqueles que estão mais próximos das janelas.

As cortinas são responsáveis por proporcionar mais privacidade aos ambientes, além de barrar ou filtrar a luz solar.

Além disso, cortinas são capazes de transformar ou, ainda, complementar a decoração dos ambientes da sua casa, já que fazem parte da sua composição. Quando decidir instalar esse acessório, pense nas características do material e o uso do espaço no qual ele será colocado. Nem sempre é uma tarefa fácil pensar em tanta coisa, não é mesmo?

É importante ressaltar que as cortinas fazem total diferença em ambientes residenciais. Contribuem para o aumento do conforto térmico do local, tanto em dias quentes, barrando a luz solar, quanto no inverno, ajudando a isolar as pequenas frestas de ar que passam pelas janelas.

Por isso, no artigo desta semana, falaremos sobre algumas características das cortinas de uso residencial mais comuns e, também, sobre os tipos de cortina que funcionam melhor em determinados cômodos. Vamos começar? #VemComAGente 😊

Imagem ilustrativa de cortinas cinzas.

Como escolher as cortinas certas para os ambientes residenciais?

Para escolher a cortina ideal para o seu projeto devemos primeiro pensar no uso que o ambiente deve ter. Em quartos e salas de TV, geralmente se deseja uma cortina blackout, que consiga barrar a luz externa. Isso proporciona um ambiente totalmente escuro mesmo durante o dia. Já em salas de estar, as cortinas mais comuns são as de tecido claro, que podem possuir certa transparência ou outras camadas de tecidos em sua composição, e que permitem uma iluminação indireta. Isso também contribui para a sensação de amplitude, conforme já comentamos aqui no Blog InstaCasa.

Para escolher a cortina ideal para o seu projeto devemos primeiro pensar no uso que o ambiente deve ter.

É importante, ainda, ver o tipo material ideal para cada necessidade. Pessoas alérgicas a pó, por exemplo, podem preferir instalar cortinas rolô ou persianas nos quartos para facilitar a limpeza.

Outra característica das cortinas é que elas podem ser encontradas de todas as cores, estampas, tamanhos e materiais. Por isso, quando for escolher a sua, deixe a imaginação fluir e pense em qual “casa” melhor com a decoração do cômodo. Por exemplo, em um quarto infantil, você pode escolher uma cortina que interaja com um ambiente que costuma ser, por si só, mais colorido. Pense, sempre, na personalidade que você deseja dar ao local, ok? #DicaDeOuro 😉

Pense, sempre, na personalidade que você deseja dar ao local.

Quais os tipos de cortinas mais comuns?

Existe, no mercado, uma grande variedade de cortinas. Como falamos no tópico anterior, elas podem ser encontradas com diversas características e é sempre você que decidirá qual tipo combina mais com os ambientes onde serão instaladas.

Existe, no mercado, uma grande variedade de cortinas.

Entre os tipos mais comuns, encontramos:

  • Cortinas de tecidos (simples ou duplos);
  • Blackout;
  • Cortinas Rolô;
  • Cortinas Romanas;
  • Painéis;
  • Persianas.

Vamos, abaixo, falar sobre cada um deles:

Cortinas de Tecidos

Os melhores tecidos para cortina são:

  • Voil: é o mais leve e fino de todos. Geralmente, é utilizado em ambientes que podem entrar bastante luz ao longo do dia, como a sala de estar e a cozinha;
Tecido Voil.
Imagem: Leroy Merlin
  • Blackout: o tecido Blackout é geralmente mais pesado e grosso, já que é instalado justamente para bloquear totalmente a luz solar no ambiente;
Exemplo de Blackout.
Imagem: Leroy Merlin
  • Oxford: o tecido Oxford para cortina é mais grosso e possui uma grande variedade de cores. No entanto, ele não bloqueia totalmente a luz como o Blackout;
Exemplo de Oxford.
Imagem: Leroy Merlin
  • Renda: proporciona uma decoração mais delicada. Lembre-se sempre de usar um tecido por baixo da renda, para que o desenho apareça e a luz não entre diretamente no ambiente;
Exemplo de renda.
  • Linho: hoje, o linho é um dos tecidos mais nobres que existem. Entre as principais características do tecido de linho estão a durabilidade, maciez e sofisticação;
Exemplo de cortina de linho.
Imagem: Leroy Merlin
  • Seda: a cortina de seda combina com diversos estilos de decoração e ainda entrega mais sofisticação aos ambientes da casa, pois proporciona um toque macio, além de um brilho e cor especial;
Exemplo de cortina de renda.
Imagem: Leroy Merlin
  • Jacquard: tecido para cortina Jacquard é aquele com aspecto mais encorpado, com estampas e detalhes ricos.
Imagem: Leroy Merlin

Cortinas Blackout

Para a correta instalação da cortina blackout cubra toda a extensão da janela e passe pelo menos um palmo para as laterais. E quanto ao acabamento, existem blackouts de diversas cores e texturas que vão muito além do conhecido acabamento branco em PVC.

Há, basicamente, dois tipos de cortinas blackout:

  • Estruturado: o tipo estruturado tem o blackout incorporado. O efeito é criado por um tecido único, como o poliéster, a sarja, a camurça, o veludo ou a seda;
  • Composto: o tipo composto é formado por duas peças, sendo o blackout na parte interna e uma cortina externa, que pode ser voil, linho, renda, etc. Nesse modelo com cortinas independentes, é utilizado o poliéster ou o PVC na fabricação da peça interna.
Cortinas blackout no tipo estruturado e composto.

Cortinas Rolô

As cortinas Rolô, quando encolhidas, ficam enroladas, podendo ser escondidas no cortineiro de gesso. São elegantes e sofisticadas, e contam com elementos que completam a decoração, oferecendo soluções para todos os tipos de espaços, principalmente para áreas de varandas, salas e cômodos como espaço de home office.

Exemplo de cortina rolô.
Imagem: Hunter Douglas

Cobre tanto pequenas quanto grandes dimensões, oferecendo benefícios que vão além das questões estéticas. É o modelo mais utilizado em automações residenciais, onde as cortinas podem ser abertas ou fechadas por um comando elétrico.

Exemplo de cortina rolô.
Imagem: Hunter Douglas

Cortinas Romanas

Sua aparência é bastante sofisticada, com linhas retas e detalhes na horizontal. Se bem utilizada, pode ficar super elegante e dar um toque especial ao ambiente.

Exemplo de cortina romana.
Imagem: Hunter Douglas

Seu sistema de recolhimento funciona na vertical. As cortinas Romanas ficam ótimas em ambientes com grandes janelas, além de combinarem muito bem, por exemplo, com sala de estar, quartos e espaços gourmet.

Exemplo de cortina romana.
Imagem: Hunter Douglas

Cortinas Painéis

Práticas e modernas, as cortinas Painéis são perfeitas para grandes vãos e divisão de ambientes. Caracteriza-se pelo transpasse do tecido de suas vias.

Exemplo de cortinas painéis.
Imagem: Hunter Douglas

Além disso, é uma alternativa à cortina Rolô, por não deixar frestas entre os tecidos.

Com manuseio simples, a cortina Painel pode ser acionada com corda, bastão, sem comando ou através da motorização.

Exemplo de cortinas painéis.
Imagem: Hunter Douglas

Persianas

As persianas fazem parte de um grupo de cortinas que é considerado, por muitos, mais prático, leve e moderno do que as cortinas de tecido tradicionais.

Exemplo de persiana.
Imagem: Hunter Douglas

Por serem relativamente baratas, as persianas cada vez ganham mais espaço nos projetos arquitetônicos. Elas ainda contam com diversas cores, formatos e materiais que oferecem um grande leque de opções.

Por exemplo, algumas persianas são feitas de alumínios, PVC, madeira ou mesmo de bambu. As linhas podem ser horizontais, geralmente com lâminas de alumínio ou algum material mais resistente, ou verticais, de tecidos ou mesmo PVC.

Exemplo de persiana.
Imagem: Hunter Douglas

Instalação das cortinas

Para fazer a instalação das suas cortinas, você precisará verificar o local onde ela será fixada, se será diretamente na parede ou no teto.

Uma boa opção de fixação na parede é o varão. Você pode fixá-lo com facilidade logo acima da janela, com o auxílio de furadeira e parafusos. Além disso, retirar uma cortina de um varão para lavar é muito mais simples, bem como a sua recolocação.

Uma boa opção de fixação na parede é o varão.

O trilho fica preso diretamente no teto e exige um maior cuidado no planejamento, já que elas geralmente precisam ser feitas sob medida. Eles podem ser únicos, duplos ou triplos. Também permitem um deslizamento com mais facilidade e um volume maior da cortina, com mais variedades de pregas no tecido, conforme sua preferência.

Exemplo de trilho.
Imagem: Renalux

Para uma melhor estética, os trilhos podem estar “escondidos” atrás de um cortineiro. Este é um espaço deixado no teto, acima de janelas, que dá um acabamento mais sofisticado para o ambiente.

O cortineiro pode ser:

  • Embutido: um espaço deixado entre o forro rebaixado e a parede;
Cortineiro embutido.
Imagem: DecorFácil
  • Sobreposto: geralmente feito em tetos não rebaixados;
Cortineiro sobreposto.
Imagem: Dgessos
  • Com iluminação: muito parecido com o embutido, porém é necessário deixar um espaço um pouco maior para a instalação do LED.
Cortineiro iluminado.
Imagem: DecorFácil

Além disso, se você quiser trazer um ar ainda mais moderno para a sua casa e houver uma folga no orçamento, você poderá optar pela automatização das cortinas. Mas… O que é isso? Veremos no tópico a seguir! 😊

Cortinas Automatizadas

Estamos no ano de 2020 e a tecnologia vem colaborando (e muito) com as áreas de arquitetura e decoração. Por exemplo, hoje em dia, temos as chamadas cortinas automatizadas. Elas são muito comuns em smart houses, mas também podem ficar muito legais (e práticas) no seu quarto ou, ainda, em uma sala de TV, por exemplo.

As cortinas automatizadas possuem motores que respondem de forma rápida e silenciosa. Com instalação conjunta à automação, as cortinas tem capacidade de funcionamento agendado e remoto, por meio de aplicativos de smartphone, por exemplo. Prático, né? Nós também achamos!

Existem cortinas automatizadas que também podem ser controladas por interruptor ou controle remoto. A grande vantagem daquelas controladas por smartphone é que você pode fechar as cortinas de qualquer lugar, já que este aparelho costuma estar sempre em mãos.

Além disso, dá pra programar vários níveis de abertura da cortina, viu? Ela pode ficar mais ou menos aberta no horário mais quente ou abrir totalmente pela manhã. Tudo isso ao controle de um simples click!

Se achou esse post relevante, assine nossa newsletter e receba conteúdos em primeira mão!

Faça parte do mundo de Arquitetura e Tecnologia para Loteamentos.

Assine nossa Newsletter e descubra como!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

5 Comentários

  1. Ótimas dicas sobre Cortinas, gostei bastante.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.