Luz solar: sua importância e impacto no projeto arquitetônico

Você já reparou no fato de existirem alguns apartamentos mais valorizados que outros em um mesmo prédio? Muitas vezes, isso é resultado da orientação deles em relação ao sol, pois estão voltados a uma direção mais benéfica, com um melhor aproveitamento da luz solar.

Para começar a compreender como o movimento e a luz do sol afetam a arquitetura e irão afetar o projeto da sua casa, é necessário conhecer os pontos cardeais. São eles: Norte, Sul, Leste e Oeste, posicionados conforme a imagem abaixo.

Rosa dos ventos
Rosa dos Ventos: ilustração dos pontos cardeais


O sol e sua trajetória

O sol nasce voltado à direção Leste, e se põe voltado à direção Oeste. Apesar de ambas receberem a mesma quantidade de horas de sol, a orientação Oeste recebe a luz solar em um momento mais quente do dia, período em que a inércia térmica chamada de “frescor noturno” já foi vencida ao longo do dia.

Trajetória solar
Trajetória solar ao longo do dia


A inércia térmica funciona da seguinte maneira: durante o dia, o planeta absorve e mantém o calor emitido pelo sol. Durante a noite, o calor retido ao longo do dia vai sendo gradualmente liberado, trazendo o frescor noturno.

Fluxo de calor retido no planeta ao longo do dia


A luz solar na arquitetura

Na arquitetura, a orientação do imóvel em relação ao sol influencia no conforto térmico da edificação e interfere na qualidade de vida das pessoas que moram, trabalham ou frequentam o local, podendo torná-lo um espaço de permanência agradável ou desagradável. Isso acontece devido à trajetória do sol, citada anteriormente, fazendo com que cada lado da edificação receba diferentes quantidades de calor ao longo do dia.

A análise do imóvel em relação à luz solar varia conforme 4 parâmetros:

1. O hemisfério no qual está inserido;
2. A distância à linha do Equador;
3. As estações do ano;
4. Sua orientação em relação aos pontos cardeais.

Ou seja, cada região do planeta requer uma análise específica, de forma a estudar o comportamento do sol e aplicar as soluções necessárias para cada caso.

Linha do Equador e hemisférios
Linha do Equador dividindo o planeta em Hemisférios Norte e Sul


A Linha do Equador é uma linha imaginária ao redor da Terra, que divide o planeta em Hemisfério Norte e Hemisfério Sul. Quanto mais próximo da Linha do Equador, menores são as variações de luz solar ao longo do ano – isso acontece pois é a inclinação com que a Terra gira em torno do Sol que causa essas variações, conhecidas como ‘estações do ano’: outono, inverno, primavera e verão. Logo, quanto mais afastado da Linha do Equador, mais acentuadas serão as estações.

Estações do ano
Inclinação de Terra girando em torno do Sol, ocasionando as estações do ano
Fonte da imagem: infoescola


Como isso funciona no Brasil

No caso do Brasil, na maior parte do seu território a análise deve ser feita de acordo com as características do hemisfério sul. Desta forma, conforme mostrado acima, as regiões mais próximas à Linha do Equador possuem estações com incidência solar menos variável, como as regiões Norte e Nordeste do Brasil. Enquanto em outras regiões mais afastadas da Linha do Equador, como o sul do país, a variação da incidência solar nas diferentes estações é bem maior.


Inverno X Verão

O sol, no inverno, possui uma inclinação mais ao norte e os dias são mais curtos. No verão, possui uma inclinação mais ao sul e os dias são mais longos, o que afeta diretamente o modo como a luz solar é recebida pelos edifícios. A face norte de um imóvel, por exemplo, recebe luz durante boa parte do dia no inverno e, no verão, a sombra é considerável – pois o sol está mais alto e passa sobre a cobertura dos imóveis.

Trajetória solar inverno e verão
Trajetória solar no inverno X Trajetória solar no verão
Fonte da imagem: vivadecora


Deste modo, aplicadas na arquitetura, cada orientação possui características específicas:

1. Norte: é a orientação que recebe a maior insolação diária ao longo do ano. Desta forma, os ambientes voltados a essa direção vão ser sempre bem iluminados pela luz do sol. 

2. Sul: é a orientação que recebe a menor insolação ao longo do ano. Desta forma, os ambientes voltados a essa direção vão receber pouca ou nenhuma luz solar.

3. Leste: é a orientação que recebe insolação na parte da manhã. Os ambientes voltados a essa direção vão sentir a luz solar de forma mais branda.

4. Oeste: é a orientação que recebe insolação na parte da tarde. Os ambientes voltados a essa direção vão sentir a luz solar de forma mais intensa e, consequentemente, vão ser mais aquecidos.


Como a luz solar afeta seu projeto

Aplicando esses conceitos, é possível fazer uma análise e definir a melhor orientação para cada tipo de ambiente em um determinado imóvel. Assim, você saberá a melhor orientação solar para o projeto da sua casa.

Desta forma, na hora de criar um projeto, os arquitetos devem analisar a localização do terreno para poder aproveitar ao máximo as condições climáticas do local e entender a maneira como estas vão interferir na ocupação do lote em questão.


Distribuição dos ambientes

Os ambientes chamados de “permanência prolongada” – quarto, sala de estar, sala de jantar, cozinha, escritório e similares – devem receber uma boa quantidade de luz solar para questões de iluminação e higienização. Precisam ser ambientes confortáveis para uso em tempo longo ou indeterminado. Isso não quer dizer, porém, que devam estar voltados à direção que recebe a insolação mais intensa, pois reteria calor de forma exagerada, causando desconforto aos usuários. Desta forma, julga-se mais apropriado que estes ambientes estejam voltados à direção Leste e/ou Norte.

Já os ambientes chamados de “permanência transitória” são aqueles em que o uso é ocasional ou temporário, de curta duração, como: área de serviço, banheiro, corredor, escada, depósito, garagem e similares. Nesses casos, por serem menos utilizados, são ambientes que não requerem tanta iluminação natural para o conforto dos usuários. Esses ambientes podem estar voltados às direções Norte, Leste ou Oeste, sendo considerado aceitável – em algumas situações – que estejam voltados à direção Sul.

No caso de piscinas e áreas de lazer, onde é desejado o maior tempo de sol possível, adota-se o mesmo critério. O recomendado é que estes estejam posicionados à direção Norte, pois é a que recebe a maior quantidade de luz solar diária durante o ano.

Projeto arquitetônico com bom aproveitamento solar
Projeto InstaCasa
Exemplo de projeto arquitetônico com bom aproveitamento da luz solar


Atenção!

É preciso estar atento às direções Oeste e Sul. A direção Oeste é aquela que recebe o calor intenso durante o período da tarde. Os ambientes voltados a esta direção podem ficar superaquecidos e causar desconforto aos usuários, sendo necessário que o arquiteto responsável pense e projete as devidas soluções. São exemplos de proteção para as fachadas superaquecidas: brises, pérgolas, cobogós, toldos, proteção interna, vegetação, entre outros.

Já a direção Sul é problemática pois é a que recebe menos luz solar ao longo do ano. Durante o verão, recebe luz somente durante algumas horas no período da manhã e da tarde. Já no inverno, quase não recebe luz. Essa questão torna-se um problema pois a falta de insolação pode causar diversos transtornos à saúde do imóvel e de seus usuários.


Quanto mais luz natural, melhor!

O bom aproveitamento da luz solar nos projetos arquitetônicos pode ser considerado uma medida preventiva, pois evita uma série de problemas futuros, tais como:

  • Surgimento de mofo;
  • Superaquecimento ou arrefecimento dos ambientes;
  • Umidade;
  • Entre outros.


Além disso, estudos indicam que a falta de luz solar nos ambientes de atividades cotidianas, pode causar às pessoas sérios problemas psicológicos – como falta de disposição, perda de produtividade e até mesmo depressão, sabia disso?

A luz solar é antisséptica e é capaz de higienizar os ambientes, tornando-os mais saudáveis para abrigar as atividades do dia a dia. Além de todos os benefícios na área da saúde, o uso correto da luz natural pode resultar também em benefícios financeiros: se os ambientes forem posicionados corretamente, é possível reduzir o uso de luzes artificiais para a iluminação do edifício, além de garantir uma boa economia no consumo de aquecimento e ar-condicionado.


Medidas complementares à luz solar

Existem outras medidas utilizadas para garantir a saúde das edificações e o conforto de seus usuários, como a ventilação natural e o uso de vegetação. A ventilação natural deve ser aliada à iluminação solar, proporcionando ambientes higienizados, arejados, iluminados e saudáveis. Clique aqui e leia mais sobre este assunto!

O uso de vegetação na arquitetura também pode trazer diversos benefícios para a vida das pessoas, tanto numa escala urbana quanto dentro das casas e edifícios. Confira mais sobre esses benefícios clicando aqui.


A importância de um bom projeto

Conclui-se que, diferente do que a maioria das pessoas pensam, o uso correto da luz solar nos projetos de arquitetura é essencial para a criação de ambientes confortáveis e saudáveis para a permanência humana.

Portanto, o que a princípio pode parecer bobagem, acaba influenciando diretamente no conforto, na saúde, no humor, e até mesmo no bolso dos moradores/usuários do imóvel. Por isso, é sempre importante ter a orientação de profissionais qualificados na hora de fazer o projeto ideal. Do contrário, o barato pode sair caro – e é um preço que os usuários pagarão todos os dias.



Achou esse post relevante? Assine nossa newsletter e receba conteúdos em primeira mão!

Faça parte do mundo de Arquitetura e Tecnologia para Loteamentos.

Assine nossa Newsletter e descubra como!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

2 Comentários

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.